Grupo Zumb.boys

O grupo existe desde 2003. Na época o Grupo Zumb.boys surge para vivenciar a cultura hip hop/dança urbana, integrando a cena de campeonatos,  que é apenas uma parte que compõe esse cenário do movimento. A partir de 2007 foi mudando seu foco de ação de acordo com suas vivências e necessidades, mas sempre com o intuito de pesquisar, comunicar, desenvolver reflexões e proporcionar vivências por meio da dança, sendo essa uma forte metodologia para expressar, conversar e chamar a atenção para certos tipos de ações.

O grupo é uma junção de dançarinos com diferentes históricos na dança. Essa combinação veio das trocas de experiências em oficinas, aulas, palestras, encontros com profissionais da dança de variados estilos, e da participação dos integrantes do grupo nos processos criativos em companhias de dança contemporânea.

O Grupo Zumb.boys já foi premiado em vários Editais de Leis de Incentivo à Cultura, sendo eles: VAI – Valorização de Iniciativas Culturais (2008 e 2009). ProAc – Hip Hop, da Secretaria Estadual de Cultura de SP (2010). Fomento à Dança do Município de São Paulo (2014 e 2016). Proac - Circulação (2015).

Com a necessidade de pesquisar algo que interaja com o público, em 2012 (com uma produção independente) estreia o espetáculo “Dança por Correio”, primeiro espetáculo de intervenção urbana, com caráter performático do grupo.
Em 2014 o Grupo da inicio a outra produção independente, dessa vez para desenvolver o espetáculo “Ladrão”. A pesquisa foi um registro corporal estruturado com base em memórias e situações de um personagem que está muito presente no contexto de hoje ‘o ladrão’. Dando continuidade à pesquisa desse espetáculo o grupo estreia em 2015 o espetáculo “O QUE SE ROUBA”, que traz enquanto discussão os roubos imateriais, os roubos de oportunidades, de subtração violenta e de reverberações tão concretas como qualquer roubo.

Em 2016, em parceria com o SESC Santo André estreia a intervenção “Mané Boneco”, um trabalho realizado em cima do brinquedo “mané gostoso”, uma intervenção que passeia sobre o imaginário infantil, à memória afetiva, que trabalha os giros, idas e vindas desse brinquedo, junto com a poesia de cordel.

Ainda em 2016 o Grupo Zumb.boys ganha o Prêmio Denilto Gomes em Produção em Dança e Melhor Design de Luz com o espetáculo O QUE SE ROUBA e também o Prêmio APCA – Associação Paulista de Críticos de Artes, de melhor espetáculo (Não Estreia) com a intervenção “Dança Por Correio”.

Em 2017, realiza o Projeto Redes, premiado na 21° edição do Fomento à Dança de São Paulo, em que realizará escambo artístico e circulação de seus últimos trabalhos pela cidade.

apoio